Monte Verde, a origem…

Nosso primeiro post é em homenagem a nossa “musa” inspiradora…Monte Verde!!!

  

 

Localizada  no Alto da Serra da Mantiqueira, no  município de Camanducaia, Sul de Minas Gerais, Monte Verde é um pedacinho dos Alpes Suiços em pleno Brasil. Rodeada por montanhas com altitudes na faixa de 2000 m, a cerca de apenas 170 km de São Paulo e,  atualmente,  com a estrada de acesso Camanducaia- Monte Verde bem asfaltada e conservada, é , praticamente um dos nossos passeios preferidos para nos revitalizarmos  e contactarmos com  a energia mágica que essa “vila encantada” oferece…

Não podemos deixar de revelar que frequentamos o local desde 1983. Nesta época,  chegar,  em dias de chuva,  pela estrada de terra toda esburacada, cheia de lama, e uma Rodovia Fernão Dias perigosíssima, era uma verdadeira aventura. Entretanto, ao final, tudo era recompensado pela natureza incrível e pela rusticidade de locais, como uma pequena adega do Sr. Seixas, onde era possível passar horas, à noite fria, cantando ao som do violino do Sr. Nicolino(ao menos, era como o chamávamos) e degustando canecas de vinho que retirávamos alí mesmo de pequenas barricas (por sinal, quem mais bebia, era o próprio saudoso Sr. Seixas…rs,rs….). Com toda certeza, foi o início de nossa verdadeira paixão pelo Sul de Minas e de muitas aventuras ,  portanto, tivemos um carinho especial com a escolha deste nosso primeiro post.

Com início de desenvolvimento a partir de 1936, com a chegada do pioneiro Verber Grinber (falecido em 13/08/2006 aos seus 96 anos de idade)  um jovem imigrante e empreendedor da Leitônia , que adquiriu terras e posteriormente loteou e atraiu muitos Europeus,  hoje, Monte Verde, destaca-se como um destino turístico consolidado e  referência, ao lado de sua irmã mais velha e, também, não menos charmosa, Campos de Jordão, SP. Entretanto, MV mantem uma vocação muito mais rústica e natural.

Com fácil acesso pela Rodovia Fernão Dias até Camanducaia, MG(130 km de São Paulo) e mais 30 km de estrada asfaltada que liga Camanducaia à Monte Verde, este percurso de 30 km já é uma viagem por sí só. A paisagem é deslumbrante, com lindas vistas e pequenos estabelecimentos charmosos em que se pode comprar queijos e doces locais…ou, simplesmente, tomar um cafezinho e apreciar a paisagem.

         

Nesta estrada, também, já existem muitas pousadas e hoteis, mas vale lembrar, para ficar de olho na direção, pois a via é mão dupla, e apesar de bem cuidada e bem sinalizada é  preciso de atenção, para não acabar com o passeio…

Existem outros acessos, um pouco mais radicais, por dentro das montanhas em estradas de terra e diversas interligações com bairros e municípios próximos, que ao longo, de nossos próximos posts iremos comentar…

Após o portal de entrada, o leque de opções de lazer é grande e vai depender, um pouco, da  disponibilidade de tempo…mas, seja, de um simples bate volta, a um final de semana, ou uma estadia mais longa, não tem como se decepcionar…

São várias as opções…, fazer compras e degustar queijos, vinhos, chocolates, uma trilha nas montanhas, comer uma truta…enfim, curtir o clima típico de inverno nas montanhas…

    

                    

Como nosso foco aqui é a mais uma “day trip”(mais conhecido como bate volta, mesmo), acreditamos que o ideal é chegar cedinho para fazer uma bela caminhada nas montanhas para renovar a energia com o ar puro e apreciar as belas paisagens. São vários os picos( Pedra Redonda, Chapéu do Bispo, Pedra Partida e Pico do Selado), mas, se quiser conhecer outros locais, busque um dos trajetos mais curtos…

            

                    

Depois da caminhada, a hora é boa para circular pelo centrinho, almoçar e visitar as típicas “lojinhas” com arquitetura rústica  europeia. Ainda, deve sobrar tempo para dar mais alguns passeios próximos, como na “Chácara da Adélia”, uma espécie de sítio na Rua do Sol Nascente com caminhos em meio a cascatinhas, laguinhos de pedra e  mata nativa….

Ao final da tarde, é possível subir próximo ao aeroporto para apreciar o por do sol e as nuvens pousando sobre as montanhas.(é muito lindo). Se tudo der certo, ainda deve sobrar um tempinho para mais uma “recheada no estomago”com um “strudel de maça” ,um “chocolate quente” ou até um “fondue”. O ideal, se possível, é retornar , ainda, com um pouco de luz,  para curtir as paisagens da estradinha até Camanducaia ou  parar para levar um queijinho, um pinhão…ou simplesmente apreciar com calma a “despedida”…

O “circuito gastronômico”, atualmente, vai desde um pastel ou pizza de R$ 25,00 até trutas recheadas e pratos mais sofisticados…ou seja, cabe em todos os bolsos…!!!

  

                                          

Nós, um pouco mais “fora da casinha”  e já um pouco veteranos na região, costumamos ir um pouco mais tarde, circulamos pela rua principal, compramos e comemos uns queijinhos e curtimos a natureza até o por do sol, que assistimos no caminho das montanhas. Muitas vezes, ainda, costumamos  visitar  um casal de “queridos amigos”( O David e a Janet) de São Paulo, que moram lá e são os donos da loja “Mais Cor” especializada em canecas e lembranças , onde tudo é feito com muito carinho…(vale a pena uma visita- Av. Monte Verde, 1000 Lj 03).

               

         

Não costumamos ter hora para voltar, mas conhecemos muito bem a estrada e a região, e, mesmo assim, é sempre mais prudente voltar mais cedo, portanto, programe seu passeio para a “tensão da volta” não descarregar suas baterias   e “BOA VIAGEM”….

Ana Claudia e Flavio…do Blog “cairnaestrada.com.br”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *